Tuesday, January 17, 2006

Reestruturação da LNI

Após um compasso de espera, parece que estamos agora inclinados a apostar numa reestruturação desta licenciatura de acordo com o processo em curso das outras licenciaturas da EEG e da UM.
Para além duma duração mais curta (3 anos) o novo programa poderia implementar outro tipo de reformas em termos pedagógicos. Estou a pensar nomeadamente em adoptar uma abordagem mais orientada à análise e resolução de problemas/casos concretos e multidisciplinares, a chamada "problem-based learning", em contraste com a abordagem/metodologia dominante vigente de módulos predominantemente teóricos, unidisciplinares ("disciplinas").
Como, para já, está afastada a hipótese de aderir à primeira vaga do processo de reestruturação em curso (vulgo PREC) temos algum tempo para organizar, com a colaboração de todos os interessados, principalmente docentes, alunos, ex-alunos e "sociedade civil", um projecto metodologicamente inovador, que esta licenciatura pioneira objectivamente bem merece.
Também neste contexto devemos avançar com base no estudo e não em palpites mais ou menos bem informados, pelo que solicito a todos os que queiram encetar esta jornada que consultem "Educational Innovation in Economics and Business Administration: The Case of Problem-Based Learning", editado por W. Gijselaers et al e publicado em 1995 por Kluwer Academic Publishers.
Na semana que vem este livro estará à disposição de todos na BGUM e se até lá alguém o desejar consultar, agradeço que se dirijam à Dr.ª Graça do IEEG, que em contacto comigo, se encarregará de o disponibilizar a quem o solicitar.

13 Comments:

Anonymous Márcia Geração said...

Sou aluna da licenciatura de Negócios Internacionais ao abrigo do programa de Requalificação para Licenciados no desemprego, e foi com muita tristeza que recebi a notícia que a referida licenciatura poderia vir a ser extinta ao abrigo dos termos da implantação do Processo de Bolonha em Portugal. Não senti somente tristeza, mas também, uma certa frustação e desalento pois, depois de ter frequentado a licenciatura de Ensino de Português na Universidade do Minho durante cinco anos, e não ter encontrado um emprego nessa área, lutei muito para ser inserida neste projecto de requalificação que tenho a certeza que me alargará horizontes a nível profissional.Esta minha certeza prende-se como é óbvio com a licenciatura que frequento actualmente, Negócios Internacionais, desconhecida por muitos nacionalmente, mas reconhecida além fronteiras e este facto pude comprová-lo depois de uma pesquisa elaborada, no meu caso na Austrália, acerca do ensino de Negócios Internacionais.
Foi interessante verificar a estrutura das diferentes ofertas, direccionadas para a prática, isto é, estão a formar verdadeiros negociadores e estes, desde cedo, entram no mundo dos negócios pois as próprias universidades promovem esta componente mais prática que, na minha humilde opinião, poderia ser aplicada ao curso de Negócios Internacionais. É bom frisar que talvez poucos tenham conhecimento que na Universidade do Minho a este nível e relativamente ao curso de Negócios Internacionais já se caminha neste sentido. Refiro-me, nomeadamente à VCIB http://www2.eeg.uminho.pt/economia
/pascoa/vcib20405/VCIB/index.htm, (Virtual Classroom in Internatinal Business), que consiste num trabalho elaborado por alunos portugueses, alemães e, este ano, também por alunos mexicanos. São formadas equipas com elementos de diferentes nacionalidades e daí tem que brotar um verdadeiro "Business Plan", não se trato de um mero trabalho académico, mas sim de um trabalho que implica dedicação, pesquisa e know how para que tenha sucesso. Além do mais testa in loco as nossas capacidades de negociadores. É pois uma iniciativa de louvar e a continuar. Para finalizar gostaria ainda de deixar um pequeno apontamento que considero importante para todos os que frequentam, ou já frequentaram este curso, deixo aqui este endereço www.openbc.com, que me foi dado a conhecer por um colega alemão que fez parte da minha equipa na VCIB, é o maior clube de business da Europa onde se devem inscrever pois têm a possibilidade de estabelecer contactos com as maiores empresas e instituições portuguesas e não só, assim como obter informações úteis acerca de eventos relacionados com Negócios Internacionais.
Terão a possibilidade de verificar, os que ainda não sabem, que esta é uma área de futura e de extrema importância para Portugal.

7:22 AM  
Blogger Diana Machado said...

criação de 3 novas licenciaturas na EEG: Contabilidade, Marketing, Ciências Políticas.....a favor ou contra?

11:32 AM  
Blogger Carlos A. Páscoa Machado said...

Não se trata tanto de ser a favor ou contra, como de saber até que ponto estes projectos estão bem concebidos e têm expectativa de ser bem acolhidos pelos empregadores e potenciais estudantes. No que diz respeito a Ciência Política eu permito-me duvidar da empregabilidade dos futuros licenciados no nosso país. Já na caso de Marketing e Contabilidade o problema pode residir na estreiteza dos espectro científico a que os futuros licenciados ficam condicionados. Eu preferiria por exemplo uma licenciatura de 3 anos em gestão, complementada por mestrado de 2, entre outros, em Contabilidade, Marketing, ou ... Negócios Internacionais. Não será deste pecado original que padece a licenciatura em Negócios Internacionais?

11:48 AM  
Anonymous Márcia Geração said...

Quando tive conhecimento da criação de três novas licenciaturas na Universidade do Minho, EEG, fiquei como que perplexa quando soube que uma delas seria Ciências Políticas!!!! Até onde irá a viabilidade desta licenciatura, será mais uma a criar licenciados para o desemprego??? Parece-me, e desculpem a franqueza que sim. Tanto se falou e debateu a favor e/ou contra a continuidade da existência da Licenciatura em Negòcios Internacionais, devido à escassez de alunos a frequentar a referida licenciatura, e fazem agora "surgir" uma nova licenciatura cujos "responsáveis" admitem ter consciência que não terão muitos alunos????????? Esta situação leva-me a questionar até que ponto não teria sido benéfico para muitos, dentro da EEG, não lutar pela manutenção de um curso que pode não ser o maior, mas é certamente um dos melhores da referida escola? Peço desculpa pela prepotência, mas não é caso disso e para comprová-lo basta olharmos à nossa volta (digo mundo). Quanto às outras licenciaturas, o que me surge dizer é que serão simplesmente mais duas, e nada de novo trazem. Estamos perante um processo de reestrutruração de todas as licenciaturas, penso que seria mais viável a criação de mestrados nas referidas áreas, mas aí entra também a questão dos fundos do Ministério, razão tantas vezes apontada para a extinção de NI, é claro que tanto a licenciatura em Contabilidade como a de Marketing serão muito procuradas, e neste caso a questão de haver ou não financiamento por parte do Ministério não se coloca. Quanto a Ciências Políticas não sei se acontecerá o mesmo, mas o futuro o dirá, é meu desejo que os responsáveis pela dita licenciatura não tenham que se debater com esse tipo de questões, como aconteceu em NI.
Devemos aprender com os erros dos outros, ultrapassá-los e evitá-los.

Márcia Geração

4:51 AM  
Anonymous Márcia Geração said...

Quando tive conhecimento da criação de três novas licenciaturas na Universidade do Minho, EEG, fiquei como que perplexa quando soube que uma delas seria Ciências Políticas!!!! Até onde irá a viabilidade desta licenciatura, será mais uma a criar licenciados para o desemprego??? Parece-me, e desculpem a franqueza que sim. Tanto se falou e debateu a favor e/ou contra a continuidade da existência da Licenciatura em Negócios Internacionais, devido à escassez de alunos a frequentar a referida licenciatura, e fazem agora "surgir" uma nova licenciatura cujos "responsáveis" admitem ter consciência que não terão muitos alunos????????? Esta situação leva-me a questionar até que ponto não teria sido benéfico para muitos, dentro da EEG, não lutar pela manutenção de um curso que pode não ser o maior, mas é certamente um dos melhores da referida escola? Peço desculpa pela prepotência, mas não é caso disso e para comprová-lo basta olharmos à nossa volta (digo mundo). Quanto às outras licenciaturas, o que me surge dizer é que serão simplesmente mais duas, e nada de novo trazem. Estamos perante um processo de reestrutruração de todas as licenciaturas, penso que seria mais viável a criação de mestrados nas referidas áreas, mas aí entra também a questão dos fundos do Ministério, razão tantas vezes apontada para a extinção de NI, é claro que tanto a licenciatura em Contabilidade como a de Marketing serão muito procuradas, e neste caso a questão de haver ou não financiamento por parte do Ministério não se coloca. Quanto a Ciências Políticas não sei se acontecerá o mesmo, mas o futuro o dirá, é meu desejo que os responsáveis pela dita licenciatura não tenham que se debater com esse tipo de questões, como aconteceu em NI.
Devemos aprender com os erros dos outros, ultrapassá-los e evitá-los.

Márcia Geração

4:53 AM  
Blogger Diana Machado said...

eu, com mais alguns colegas do 2º ano estamos com intenções de ir à Esc. Sec. Dona Maria II em Braga no dia 21 de Abril para fazer uma pequena apresentação sobre o nosso curso. Agredecemos o apoio de colegas em outros anos. Podem encontrar em contacto comnosco para poderem colaborar. Esta escola tem duas turmas de Economia, ou seja, mais ou menos 60 alunos. Há também possibilidades de irmos a Stº Tirso a outra Esc. Sec. para poder fazer o mesmo. Mais uma vez, agredeciamos todo o apoio dos nossos colegas.

11:27 AM  
Blogger aNa FoRtUnAtO said...

Relativamente á apresentação de nosso mui nobre curso nas escolas secundárias, gostaria de dizer que acho a ideia brilhante e como tal gostaria de participr neste projecto se o mesmo vier a ser realizado.
Gostaria de fazer apresentação da Licenciatura e Negócios Internacionais na Escola Secundária da Trofa visto que tem 2 turmas de economia a além disso tem um acordo/contrato com a Universidade do Minho visto que muitos dos alunos desta escola secundária vêm para a nossa mui nobre academia!!
O único problema será a falta de tempo e por isso, este projecto deveria ser feito o mais breve possivel para nao entrar em colapso com os exames e apresentaçoes de trabalhos; além disto, terá de ser a Universidade do Minho a pedir autorizaçao por escrito á escola secundária da trofa (já me enformei acerca disto).

PESSOAL, VAMOS METER MAOS Á OBRA!!

3:59 AM  
Blogger Diana Machado said...

This comment has been removed by a blog administrator.

8:49 AM  
Blogger Diana Machado said...

obrigada ana. nós já fomos convidados pela a Dra Luisa da EEG para ir com o gabinete de imagem para uma esc. sec. em sto tirso. Se lhe comunicamos a nossa intencao de ir à trofa, tenho a certeza que ela nos ajuda da melhor forma que puder. agora do tempo... temos de fazer o melhor possível. há sempre tempo para tudo :)

8:52 AM  
Anonymous Anonymous said...

Perante este cenário, o que faz uma pessoa que está interessada em concorrer ao curso este ano?

11:35 AM  
Anonymous Amílcar Torres said...

Olá amigos e colegas.
Em com muita alegria que descubro que a nossa licenciatura não vai ser extinta. Isto apesar de ter de concordar que efectivamente esta precisa de uma profunda reestruturação e é exactamente sobre esta reestruturação que eu quero falar.
Como alguns devem saber acabei o curso o ano passado e após cerca de 6 meses sem arranjar trabalho, consegui ser seleccionado para participar num projecto/formação sobre “internacionalização de PMEs” no âmbito do InovJovem. Este projecto tem a duração de 1 ano, sendo que 2 meses são de formação e os restantes 10 são de estagio numa PME. A formação acabou em março e devo, (infelizmente) vos dizer que nestes 2 meses de formação, aprendi mais sobre internacionalização que no decorrer dos 4 anos de curso. Isto porque a formação foi dada por consultores de internacionalização, ou seja, pessoas que sabem como efectivamente este processo funciona.
Talvez fosse boa ideia contratar um destes consultores para vos ajudar na restruturação da licenciatura, pois acreditem que quando nos dizem que não saímos da universidade preparados para o mercado de trabalho, tem toda a razão.
Um abraço e muitos beijos (para meninos e meninas respectivamente)
Deste vosso amigo: Amílcar Torres
(eu sei falta o Dr. antes do nome, mas acreditem que não tem assim tanta piada) :D

1:18 AM  
Blogger aNa FoRtUnAtO said...

Dr. Amilcar Torres, apenas quero dizer que CONCORDO ABSOLUTAMENTE CONTIGO!

Desde da ha 4anos que trabalho (nas ferias) numa multinacional a nivel de construçao e industria e consigo aprender mais acerca de negócios num mês do que num ano inteiro!
E isto é de lamentar porque se eu tenho a sorte de todos os anos ser integrada numa empresa desta dimensão, sei que muitos outros colegas nao têm a mesma oportunidade.

A tua ideia de pedir "ajuda"/aconselhamento a entendidos da área é de todo uma ideia (desculpem a redundancia) FENOMENAL e LÓGICA.

Aos responsáveis... pensem nisto!


Cordeais Saudações (da quase Drª) Ana Fortunato

1:59 PM  
Anonymous Anonymous said...

Nice brief and this fill someone in on helped me alot in my college assignement. Say thank you you for your information.

10:17 AM  

Post a Comment

<< Home